Congelamento de óvulos

Congelamento de óvulos

Congelamento de óvulos

O congelamento de óvulos tem sido uma técnica reprodutiva cada vez mais procurada por mulheres que desejam ter filhos, mas pretendem adiar a gestação.

Muitas buscam primeiro a realização profissional e a independência financeira, outras pretendem no futuro fazer uma “produção independente”.

Existem ainda os casais homossexuais e quem está doente e vai fazer um tratamento que pode deixá-la estéril, como o câncer, por exemplo.

Vale lembrar também que, em termos sociais, o congelamento de óvulos leva a mulher a um nível de igualdade com os homens sobre qual o melhor momento para ter filhos.

Como a fertilidade do sexo masculino é mais longa (geralmente só congelam o sêmen por questões de saúde), a idade de ter um filho não costuma ser um problema.

O congelamento dos óvulos coloca a mulher na mesma posição. Ela tem o direito de escolher o melhor momento para ser mãe, sem pressão social, familiar ou profissional.

É importante que a mulher procure uma especialista, que irá avaliar sua reserva ovariana, principalmente quando fatores hereditários apontam para a menopausa precoce.

Fonte : UOL

 

Ciclo Menstrual

Ciclo Menstrual

Ciclo Menstrual

O ciclo menstrual dá pistas de sua fertilidade. O ideal é durar de 28 a 32 dias.

Ciclos longos (acima de 35 dias) sugerem alterações endócrinas que impedem o folículo de amadurecer e liberar óvulos de boa qualidade.

Já os ciclos curtos (inferiores a 26 dias) podem estar associados a uma baixa reserva ovariana.

Se eles forem irregulares, a ovulação talvez não esteja acontecendo.

As razões variam de distúrbios da tireoide e a presença de cistos no ovário.

Conselhos para ajudar a melhorar o seu processo de fertilidade

Conselhos para ajudar a melhorar o seu processo de fertilidade

Conselhos para ajudar a melhorar o seu processo de fertilidade

De acordo com uma pesquisa do Ministério da Saúde, o percentual de mães na faixa etária de 30 anos cresceu na última década, passando de 22,5% em 2000 para 30,2% em 2012.

Mas, como o relógio biológico não acompanha essa mudança de paradigma é muito importante cuidar da fertilidade.

Por isso, para aumentar as chances de engravidar mais tarde, seja do primeiro ou do segundo filho, é preciso estar atenta à saúde desde cedo.

Alguns conselhos para as mulheres que querem ser mães :

– Pare de fumar

A gente já sabe que o cigarro faz mal pra saúde no geral. O cigarro contém ainda uma lista extensa de malefícios ao organismo, incluindo o aumento das chances de infertilidade. No Brasil, 30% dos fumantes estão em idade reprodutiva. Fumar dificulta a produção do hormônio sexual feminino (o estrógeno), diminui a reserva dos ovários (que contém os folículos dos óvulos), interfere no desenvolvimento dos óvulos, favorece a formação de óvulos com alterações genéticas (o que pode acarretar em doenças genéticas para o bebê), antecipa a menopausa e retardada o momento da concepção.

– Reduza o consumo de álcool

Mesmo quando consumido moderadamente, o álcool tende a afetar a fertilidade. Tomar uma garrafa de vinho ou cinco doses de outra bebida por semana, por exemplo, pode reduzir as chances de gestação e a libido em ambos os sexos. Beber em excesso pode resultar em mau funcionamento dos ovário – implicando em irregularidade do ciclo menstrual, ausência de ovulação e aumento do risco de aborto espontâneo.

– Amenize o estresse

O estresse causa distúrbios hormonais importantes – interferindo no processo de desenvolvimento dos óvulos –, prejudica o funcionamento dos ciclos menstruais e leva à ausência de ovulação. Na vida moderna, sabemos, as causas de estresse são tantas que é impossível enumerá-las sem deixar algo importante de lado. Afinal, cada indivíduo tem sua própria rotina e carga de estresse. Para saber o que ocasiona o seu estresse, é preciso que você avalie aquilo que mais a afeta (o que tem lhe deixado preocupada, irritadiça e sem sono ou fome?). Outra saída já comprovada para aliviar o estresse é manter, na medida do possível, um estilo de vida saudável, com alimentação adequada e exercícios físicos regulares.

– Cuide da sua alimentação

Estudos mostram que a alimentação afeta diretamente as chances de engravidar. A subfertilidade (quando há a chance de engravidar, mas ainda é baixa se comparada à população normal), por exemplo, pode ser tratada com uma dieta controlada com alimentos que contenham zinco e ácido fólico, como carnes e folhas verde-escuras. Mas nada de exagerar na dieta, já que uma alimentação restritiva também pode prejudicar a fertilidade.

Fonte : UOL

Veja verdades e mitos sobre gravidez e fertilidade

Veja verdades e mitos sobre gravidez e fertilidade

Veja verdades e mitos sobre gravidez e fertilidade

A dificuldade de engravidar pode acontecer por uma série de fatores que envolvem desde hábitos do dia a dia até problemas de saúde capazes de influenciar na fertilidade.

A endometriose, por exemplo, realmente dificultam a chance de ter um bebê, mas não a torna impossível.

Má alimentação e DSTs (doenças sexualmente transmissíveis) também atrapalham a chegada da gravidez

Veja abaixo as dúvidas esclarecidas por ginecologistas.

Tomar pílula por muito anos dificulta a gravidez ?

MITO – O uso da pílula inibe a ovulação por um período, mas é um processo reversível que tem um prazo diferente em cada mulher para voltar ao normal. Há chances de engravidar assim que a mulher parar de tomar a pílula.

Fertilização in vitro é mais eficaz do que a inseminação artificial ?

VERDADE – Na fertilização in vitro, o encontro do espermatozoide com o óvulo é feito em laboratório e o embrião já é colocado dentro do útero, aumentando as chances de sucesso.
Já na inseminação artificial, o sêmen é introduzido dentro do útero quando a mulher está no período fértil (ovulando). No entanto, neste processo corre-se o risco de os espermatozoides não alcançarem o óvulo e não ocorrer a fecundação.

Endometriose limita as chances de gravidez ?

VERDADE – A endometriose é responsável por até 30% das causas de infertilidade feminina. A doença ocorre quando há presença de tecido uterino (endométrio) fora do útero. Essa “sobra” pode chegar na cavidade abdominal, nos ovários, nas trompas e na bexiga, causando inflamações e aderências que comprometem a fertilidade. A endometriose costuma afetar mulheres nos anos reprodutivos, mas pode ser tratada.

Mulheres que não menstruam não podem engravidar ? 

PARCIALMENTE VERDADE – A menstruação é um sinal de que a mulher mantém um ciclo normal e que provavelmente está ovulando. Se a menstruação não acontece, pode ser um sinal de que não está havendo uma boa ovulação e, com isso, não haverá chance de engravidar. No entanto, a ausência da menstruação pode ser um fato temporário e pode ter fundo emocional ou hormonal.

Ter DST atrapalha a engravidar ?

VERDADE – As doenças sexualmente transmissíveis causam infecções na região pélvica que podem dificultar a gravidez. A clamídia (doença causada pela bactéria Chlamydia trachomatis, que atinge os órgãos sexuais e podem atravessar o colo uterino), por exemplo, inflama as tubas uterinas e prejudica a captação dos óvulos, impedindo a formação de embriões. Porém, ao tratar as DSTs, a saúde melhora, o que pode ajudar na fecundação.

A má alimentação e a obesidade interferem na fertilidade ?

VERDADE – Mulheres obesas produzem mais o hormônio estradiol, proveniente das células de gordura, que podem bloquear a ovulação. Em alguns casos, basta perder peso para conseguir engravidar naturalmente. Quem quer engravidar, tem que ter uma alimentação saudável e balanceada, rica em vitaminas e proteínas porque alimentos saudáveis ajudam a melhorar a qualidade dos óvulos e dos espermatozoides.
Fonte : UOL

 

Dicas para casais que querem produzir uma gravidez

Dicas para casais que querem produzir uma gravidez

Dicas para casais que querem produzir uma gravidez

Um casal é dito infértil quando não consegue produzir uma gravidez após um ano de relações sexuais frequentes (obviamente, sem uso de nenhum fator contraceptivo, como camisinha ou pílula, por exemplo).

O fato do casal ser considerado infértil não significa que uma gravidez não possa surgir sem tratamento médico. Este casal pode engravidar naturalmente após 2 ou 3 anos.

Portanto, o que classifica um casal como infértil não é a incapacidade de ter filhos, mas sim uma maior dificuldade em tê-los.

Quando o casal não consegue engravidar, o primeiro passo é procurar uma ginecologista e um urologista para que eles indiquem exames e avaliem as possíveis causas da gravidez ainda não ter acontecido.

A ginecologista vai indicar para a mulher como deve ser a sua alimentação, seus hábitos para aumentar sua ovulação e orientar a mulher a respeito de seu período fértil.

Em alguns casos, os tratamentos de fertilização podem ser a melhor solução para o casal.

 

Saiba o que é a adenomiose, doença que ameaça a fertilidade feminina

Saiba o que é a adenomiose, doença que ameaça a fertilidade feminina

Saiba o que é a adenomiose, doença que ameaça a fertilidade feminina

A adenomiose é uma patologia atinge cerca de 15% das mulheres com mais de 35 anos, segundo a Sociedade de Endometriose e Patologia Uterina.

Essa doença pode dificultar a gravidez ou provocar até mesmo a infertilidade, porque o embrião tem dificuldade de se fixar no útero.

Apesar de os cientistas ainda não conhecerem as causas da doença, especialistas acreditam que a principal causa pode ser o fator genético.

Aos primeiros sintomas, o ideal é procurar um ginecologista.

O diagnóstico pode ser feito por ultrassonografia ou ressonância magnética.

Mas, se a doença for descoberta tarde, a mulher corre o risco de ter que tirar o útero, para aliviar as dores.

Mas se a patologia for detectada logo, é possível tratá-la por meio de hormônios.

É preciso cuidado para não confundir os sintomas da adenomiose com os da endometriose: as duas são caracterizadas por cólicas menstruais fortes e sangramentos. Além disso, a endometriose também dificulta a gravidez : é a principal causa de infertilidade feminina no Brasil.

A endometriose pode ser tratada por meio de medicamentos, com o hormônio progesterona. Em casos mais graves, às vezes é necessário fazer uma cirurgia para retirar os pontos da doença nos outros órgãos. Mas sem a necessidade de retirar o útero.

 

Fonte : O DIA