Especialidade

Ginecologia Obstetrícia
Ginecologia e obstetrícia é o nome de uma especialidade médica reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina do Brasil.
Reprodução Humana
Para realizar a subespecialização em reprodução humana, que tem duração de um ano, o médico ginecologista deve, portanto, submeter-se a mais um concurso de residência médica.

Ginecologia Endócrina

Você sabe o que é Ginecologia Endócrina? Não? Então provavelmente também nunca ouviu falar que alterações da função reprodutiva como: dificuldades de engravidar, anovulação, síndromes masculinizantes, ovário policístico, abortamento habitual, obesidade, entre outros, podem ter origem em uma disfunção ovariana e por isso, ser tratados pela Ginecologia Endócrina.
Essa especialidade médica se refere aos aspectos fisiológicos (principalmente hormonais e reprodutivos) do funcionamento do corpo feminino desde o intraútero até a senilidade.

Ginecologia Endócrina

Várias doenças endocrinológicas podem causar alterações nos ciclos menstruais, dentre as quais destacam-se:

  • Doenças dos ovários propriamente ditos, como a síndrome dos ovários policísticos, as malformações ovarianas (também chamadas de disgenesias gonadais), a falência ovariana precoce, os tumores de ovário e a hipertecose;
  • Obesidade grau 3 (mórbida);
  • Diabetes mellitus descompensado;
  • Hipotireoidismo;
  • Hipertireoidismo;
  • Síndrome de Cushing (excesso de cortisol);
  • Hiperplasia adrenal congênita;
  • Hiperprolactinemia;
  • Acromegalia (excesso de hormônio de crescimento);
  • Hipopituitarismo (ausência ou redução da liberação dos hormônios da hipófise).
  • De um modo geral, as doenças endocrinológicas são responsáveis por um grande número de distúrbios menstruais. Deve-se ressaltar, porém, que problemas ginecológicos propriamente ditos, distúrbios psicológicos e outras doenças sistêmicas também deverão ser investigadas de acordo com o quadro clínico de cada paciente.

Infanto Puberal

A ginecologista especializada em atendimento de meninas e pré-adolescentes, é como se fosse uma pediatra só de meninas, cuidando especificamente de probleminhas femininos, que também acontecem na infância.
Para as garotinhas, consultar uma médica é menos traumático do que um médico, uma vez que um exame ginecológico é de muita intimidade e confiança.

Ginecologia Infanto puberal

Até os 2 anos a principal queixa é a sinéquia dos pequenos lábios (aderência) que pode ser observada ao nascimento ou, posteriormente, pela mãe.

Entre as meninas de 2 a 7 anos é muito freqüente o pediatra solicitar avaliação do(a) ginecologista por corrimento vaginal de repetição (vulvovaginites).

A partir dos 7 – 8 anos, quando a menina já tem uma melhor noção de higiene a queixa principal passa a ser o desenvolvimento do corpo (crescimento dos seios e pelos pubianos, estatura – “qual vai ser minha altura, será que não vou mais crescer porque já menstruei?” , quando deve vir a menstruação, puberdade precoce – aparecimento das mamas e pelos muito cedo)
A maioria das meninas menstruam pela primeira vez ao redor de 12 a 14 anos, assim, nesta idade a principal queixa nos consultórios é relacionada aos ciclos mentruais (Irregularidade menstrual, cólica, hemorragia).

A partir dos 14-15 anos, quando a menina passa a Ter noção de sexualidade, namoradinhos etc… as dúvidas em relação a este tema tornam-se comuns, além da preocupação com anticoncepção.

A seguir listamos as principais dúvidas relacionadas a ginecologia infanto-puberal:

Qual a idade ideal para a primeira consulta ginecológica?

Não existe. Como já mencionado, meninas de 2 anos podem vir ao ginecologista quando existe a chamada “coalescência de ninfas”. Supondo que você nunca teve corrimento ou qualquer queixa relacionada ao sistema genital, a primeira consulta deve ocorrer quando surgirem as dúvidas ou qualquer problema ginecológico. Geralmente as mães acabam trazendo as filhas quando elas menstruam para saber se está tudo “normal”. O ideal é a vontade partir da própria garota ou, obviamente, se a mãe notar qualquer alteração deve levá-la ao médico(a). A consulta passa a ser fundamental a partir do momento em que você inicie vida sexual a fim de orientarmos na prevenção doenças sexualmente transmissíveis e gravidez indesejada.

Como é a consulta ginecológica infanto-juvenil?
O início da consulta é igual a de qualquer outro médico, ou seja, vocês vão conversar sobre o motivo da consulta, se você ou alguém da família tem ou teve algum problema de saúde, se toma algum remédio, além de perguntas mais pessoais como em que série você está, colégio etc…

O exame físico é obrigatório?
Não. Você pode ir a primeira consulta apenas para conversar, tirar dúvidas e conhecer o (a) médico(a). A consulta é sua e você pode aproveitá-la como quiser, o(a) médico(a) está a sua disposição com seu conhecimento para esclarecer todas as suas dúvidas. É um espaço só seu com toda a privacidade para expor suas queixas e conflitos.

Ginecologia Obstetrícia

Ginecologia e obstetrícia ou obstetrícia e ginecologia é uma especialidade médica que opera no campo da obstetrícia e da ginecologia e à qual se acede após treinamento de pós-graduação universitária para o acompanhamento da saúde reprodutiva da mulher e para o tratamento de complicações obstétricas, incluída a prática cirúrgica.

Ginecologia Obstetrícia

A ginecologia literalmente significa “a ciência da mulher”, mas na medicina é a especialidade que trata de doenças do sistema reprodutor feminino, útero, vagina e ovários. Quase todos ginecologistas atuais são também obstetras. Os principais problemas tratados com um ginecologista são:

  • Câncer dos órgãos reprodutivos incluindo ovários, tuba uterina, útero, vagina e vulva
  • Incontinência urinária
  • Amenorréia (ausência dos períodos menstruais)
  • Dismenorréia (períodos menstruais dolorosos – cólicas)
  • Infertilidade e fertilidade
  • Menorragia
  • Prolapso dos órgãos pélvicos
  • Cervicite / Corrimento / Infecção vaginal
  • Doença Inflamatória Pélvica
  • Cisto Ovariano
  • Mioma

Ginecologia e obstetrícia é o nome de uma especialidade médica reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina do Brasil.

Reprodução Humana

Para realizar a subespecialização em reprodução humana, que tem duração de um ano, o médico ginecologista deve, portanto, submeter-se a mais um concurso de residência médica. Dessa forma, após 10 anos de formação, o especialista em reprodução humana torna-se um profissional médico apto a manipular as técnicas de reprodução assistida, como a fertilização in vitro, ajudando centenas de casais a realizar o sonho de constituir uma família.

Reprodução Humana

Esse médico atua juntamente com profissionais de outras áreas, como o urologista, a psicologia, a enfermagem, a genética e a biologia, pois o atendimento prestado aos casais deve ser multidisciplinar, uma vez que a infertilidade é uma questão complexa e abrangente. Visto ser uma área tão especializada, um casal deve buscar esse tipo de atendimento quando está tentando engravidar há pelo menos um ano, sem obter sucesso, o que lhes coloca na condição de casal infértil. A avaliação médica irá investigar a causa da provável infertilidade e oferecer as melhores opções de tratamento disponíveis atualmente. Uma outra abordagem seria a busca do aconselhamento, isto é, procurar um médico especialista em reprodução humana com o intuito de obter orientações sobre como promover a sua fertilidade e a de seu parceiro.