Dicas de como dar banho no seu bebê

Dicas de como dar banho no seu bebê

Dicas de como dar banho no seu bebê

Um banho gostoso faz maravilhas pelo bebê : higieniza, relaxa e aumenta o vínculo com os pais.

Mas a segurança não deve ser deixada de lado, já que os pequenos se movimentam muito e uma queda, no chuveiro ou mesmo na banheira, representa perigo.

Confira alguns cuidados para tomar na hora de dar o banho do seu filho :

O trocador deve ser preparado antes do banho, com tudo que você vai precisar : água e algodão, lenço umedecido, creme contra assaduras, fralda e uma troca de roupa completa.

O ideal é que a banheira não fique longe do trocador e esteja em um local arejado, porém sem corrente de vento.

Junto da banheira, mantenha uma toalha felpuda e macia e o sabonete líquido.

Para evitar qualquer tipo de alergia, escolha apenas cosméticos específicos para bebês, dermatologicamente testados e hipoalergênicos.

As embalagens com pump são mais seguras na hora do banho dos bebês, já que a mãe consegue manejar o frasco com uma mão só e não precisa soltar a criança.

Certifique-se de que a água está entre 36,5 e 37 graus, independentemente da estação. Um termômetro para banheira ajuda a não errar.

A banheira não precisa estar totalmente cheia. Apenas o suficiente para cobrir o corpo do bebê. Coloque 2/3 do seu volume de água.

Não deixe a criança só, mesmo que ela já sente sozinha. Em hipótese alguma deixe a banheira sem supervisão. Mesmo os maiores que já tomam banho em pé no chuveiro, pois o risco de queda e afogamento é grande.

A partir dos 5 anos, quando os pais começam a treinar a criança para tomar banho sozinha, a supervisão deverá ser mantida também.

Coloque um tapetinho de borracha. No fundo da banheira ou mesmo no piso do box (no caso das crianças maiores), o tapete evita escorregões e quedas. Mas mantenha-o sempre bem higienizado, pois em contato frequente com a água, a borracha pode criar fungos.

Fonte : Revista Crescer

Passo a passo da troca da fralda do bebê

Passo a passo da troca da fralda do bebê

Passo a passo da troca da fralda do bebê

Com a chegada do recém-nascido, os pais iniciam uma maratona de troca de fraldas.

Nos primeiros seis meses, quando a alimentação do bebê é feita exclusivamente pelo aleitamento materno, as trocas de fraldas podem acontecer cerca de 10 vezes em um único dia.

“O ideal é realizar esse processo toda vez que a fralda estiver suja e também depois de amamentar – o que acontece a cada duas ou três horas”, sugere Thais Guerreiro, dermatologista formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

As mamadas tornam-se mais espaçadas durante a introdução dos alimentos sólidos e, com isso, o número de trocas tende a diminuir, mas não muito.

Afinal, deixar a “fralda cheia” por longos períodos é facilitar o aparecimento de um dos problemas mais comuns nessa fase : as assaduras.

Quando a urina e as fezes ficam por muito tempo em contato com a pele delicada do bebê, ele pode acabar desenvolvendo a chamada dermatite de fralda.

“Às vezes, essa irritação pode vir acompanhada de uma infecção por fungo, como a cândida, que faz parte da flora natural dos pequenos. Outra possibilidade é a chamada dermatite de contato. Nesse caso, a irritação é provocada por algum material da fralda ou até por substâncias presentes no lenço umedecido ou na pomada de barreira”, alerta a dermatologista.

Em ambos os casos, recomenda-se consultar um especialista, para que ele receite o melhor tratamento para o seu filho.

Já uma dica simples e eficiente para aliviar os sintomas da cândida, que geralmente acontece nas meninas, é deixar a região tomar um pouco de sol, por cerca de três minutos, para diminuir a umidade.

Passo a passo da troca de fralda

. Antes de iniciar, certifique-se de ter à mão tudo de que você precisa. Algodão, água morna, toalha ou pano para secar, pomada de barreira, fralda limpa e, quando necessário, uma muda de roupa são os itens essenciais.

. Depois de retirar e descartar a fralda suja, os pais devem limpar a região com algodão e água morna, eliminando todos os possíveis resquícios de fezes e pomada, utilizando um toque suave. “O movimento deve ser sempre de frente para trás. Assim você impede que bactérias da região do ânus passem para os genitais”, explica Thais Guerreiro.

. Com tudo bem limpo, é hora de secar a área. Prefira um pano com toque bem macio e dê leves batidas, sem causar atrito. Atenção especial para a virilha e partes de dobras.

. Por fim, se necessário, aplique a pomada de barreira, que protege a pele do bebê do contato direto com a urina e as fezes. Aplique uma camada fina superficialmente no bumbum e nos genitais, sem esquecer a virilha e outras dobras.

. Finalize fechando a fralda sem apertar muito. O ideal é deixar um ou dois dedos de folga na região da barriga. Atenção: quando a fralda começa a vazar frequentemente, é sinal de que está pequena.
Fonte : Revista Crescer

Filtro solar pode causar reação alérgica em bebês

Filtro solar pode causar reação alérgica em bebês

Filtro solar pode causar reação alérgica em bebês

Uma australiana publicou recentemente no Facebook uma foto de seu filho de três meses com marcas vermelhas na barriga e o post viralizou. Segundo Jessie Swan, a criança teve uma reação alérgica ao protetor solar fator 50 da Peppa Pig, fabricado pela ONG Cancer Council Australia, e precisou ficar internada por três dias para tratar a erupção, semelhante a uma queimadura. A mãe alega ainda que o bebê não foi exposto ao sol.

A Peppa Pig respondeu à postagem dizendo que vai investigar o caso, mas que o produto foi formulado dentro das regras de qualidade do país.

A ONG afirmou também que, pelo fato de haver diferentes tipos de pele, reações individuais podem ocorrer e é necessário fazer um teste de sensibilidade antes de fazer uso do produto.

Em fevereiro do ano passado, a Academia Americana de Pediatria publicou uma série de dicas sobre como proteger as crianças do sol, que incluía evitar o protetor solar em bebês com menos de 6 meses.

De acordo com a entidade, uma pequena quantidade pode ser aplicada no rosto e na palma das mãos apenas se não for possível evitar o sol, mas que o ideal é usar roupas com mangas compridas e chapéus para proteger os bebês

Segundo a dermatologista Elisabeth Lima Barboza, a pele dos bebês até os seis meses é muito delicada e pode absorver os produtos químicos presentes nos protetores. Existe o risco de intoxicações, porque o sistema imunológico nesta fase ainda não está bem definido:

Após os seis meses, as crianças podem usar protetor solar infantil que não apresentem compostos químicos como ácido paraminobenzóico (PABA) ou Benzofenona-3. Mas isso não quer dizer que a proteção solar se torne livre de alergias.

“As reações são menores a partir dos 6 meses, mas não significa que o hipoalergênico, por exemplo, nunca dá alergia. Provoca menos, mas pode acontecer. Isso vai do organismo de cada pessoa. Antes da utilização do protetor, é importante buscar a orientação de um pediatra ou dermatologista”, explica a médica.

Fonte : UOL

 

Como conciliar emprego e amamentação

Como conciliar emprego e amamentação

Como conciliar emprego e amamentação

Mamãe moderna é sinônimo de trabalho triplicado. Não bastasse a necessidade de cuidar do novo pequeno da família, a mulher precisa dar prosseguimento à vida de trabalhadora e ainda por cima se manter em dia com a vaidade. Quanta coisa junta !

Com organização, planejamento e dedicação é possível dar conta de todos esses afazeres.

Primeiramente, um mês antes de voltar ao trabalho estabeleça rotinas para amamentar, acostumando o bebê a receber o leite em determinados horários.

Elabore um cronograma de forma que você consiga dar de mamar antes de sair para o trabalho e logo após retornar à residência. Conseguindo isso, você já avançou uma etapa.

Outra fase importante é estocar o leite materno para que o uso seja feito no período em que você estiver no trabalho.

Vá acostumando aos poucos o bebê a receber o leite materno em copo ou xícara. Dessa forma o pequeno não sentirá tanta dificuldade em ter o leite no momento em que a mãe estiver ausente.

Lembrando que o leite materno tem validade de um dia caso armazenado na geladeira. Após esse período, jogue fora. Não deixe o recipiente com o leite materno na porta da geladeira (pois o abre e fecha altera a temperatura). Coloque o recipiente no fundo da geladeira.

O leite materno não pode ser aquecido no micro-ondas ou banho-maria, mas, sim, em água quente (ou seja, aqueça a água em uma panela, não ferva, retire a panela do fogo e, então, coloque o recipiente com leite como se fosse um banho maria, a ideia é transferir o calor da água para o leite de forma suave). Após aquecido o leite, verifique a temperatura para não causar queimaduras no bebê.

Além de organização e planejamento na amamentação, a mãe deve conhecer o que diz a legislação.

A lei permite que a mãe se licencie do serviço por até seis meses (depende da empresa em que trabalha), tendo seu salário recebido integralmente. Mas ela também tem outros direitos. Saiba :

– A mãe tem direito a dois descansos de 30 minutos no serviço para amamentar o bebê. Esse horário pode ser unificado, ou seja, a trabalhadora poderá negociar com a empresa e ao invés de dois descansos de 30 minutos ela pode ou chegar uma hora mais tarde ou sair uma hora mais cedo, por exemplo. Esse é um tempo extra, não pode ser confundido com o tempo natural para alimentação (horário de almoço, intervalos para descansos etc.).

– A lei determina que uma empresa com mais de 30 mulheres com carteira assinada precisa ter berçário ou creche. Caso não tenha, a mulher tem direito a deixar o serviço para amamentar o bebê. E mais: a empresa fica responsável pelo “reembolso-creche”.

Se você acha que não está tendo seus direitos cumpridos, procure o departamento de Recursos Humanos ou a direção de sua empresa.

Caso a dúvida persista, procure o seu sindicato, eles possuem departamento jurídico gratuito para esclarecer as dúvidas e lhe ajudar a ter seus direitos garantidos.

Fonte : UOL – Guia do Bebê