A importância das frutas na gravidez

A importância das frutas na gravidez

A importância das frutas na gravidez

Um dos principais cuidados que a futura mamãe deve ter durante é a gravidez é a manutenção de uma alimentação saudável, que garanta a ingestão de todos os nutrientes essenciais para a saúde da gestante e para a formação e crescimento do bebê.

Ricas em fibras e, na maioria das vezes, pouco calóricas, as frutas devem ser grandes companheiras de mulheres que desejam ter uma gestação saudável.

Veja quais as principais frutas que devem fazer parte do cardápio das gestantes :

Laranja : as frutas ricas em vitamina C devem fazer parte do cardápio das gestantes porque facilitam a absorção do ferro pelo organismo. Além disso, a laranja é rica em fibras e minerais. Deve ser consumida com moderação pois pode provocar acidez no estômago.

Melancia : composta por 90% de água, a melancia em ricas em sais minerais e vitaminas, além de ter baixo valor calórico. Além disso, ela tem ação antioxidante e diurética, que favorece a eliminação das toxinas do corpo.

Mamão : além de ser rica em água, o mamão é uma boa fonte de vitamina A e C, essenciais na manutenção da saúde da futura mamãe e do bebê. Além disso, é aliado no combate a constipação intestinal, problema comum durante a gestação.

Acerola : assim como a laranja, a acerola também é rica em vitamina C e, por isso, fortalece a imunidade da gestante, evitando gripes, resfriados e infecções. Deve ser consumido com moderação pois pode provocar acidez no estômago.

Abacate : rico em magnésio, o abacate ajuda a evitar câimbras e combate o cansaço e a fadiga, comuns nos últimos meses de gravidez. Apesar de ser rico em “gorduras do bem”, o abacate é calórico e deve ser consumido com moderação.

Banana : essa fruta é rica em carboidratos e contém vitamina B6, que auxilia a formação do feto e ajuda a evitar os enjoos das primeiras semanas.

Kiwi : na lista das frutas ricas em vitamina C, o kiwi também deve estar na fruteira das gestantes. Com alto teor de fibras, ele ainda estimula o funcionamento do intestino.

Morango : rico em fibras, o morango melhora a saúde intestinal. Também contém alto teor de vitamina C, o que aumenta a imunidade da gestante. Também é rico em ácido fólico, nutriente essencial às futuras mamães.

Atividade física na gravidez

Atividade física na gravidez

Atividade física na gravidez

Uma grande dúvida das mulheres quando descobrem que estão grávidas é com relação à prática de atividades físicas.

Muitas futuras mamães acreditam que o exercício irá prejudicar o bebê e se tornam sedentárias durante a gestação. Mas não é bem assim !

A prática da atividade física na gravidez é essencial para o bem-estar da mãe e do bebê.

Para se ter uma ideia da importância dos exercícios na gestação, um estudo realizado pela Universidade Federal de Pelotas, entre 4 mil gestantes, constatou que a proporção de partos prematuros foi maior entre as mulheres que não se exercitaram durante a gravidez.

São inúmeros os benefícios da atividade física na gravidez. Além do menor risco de parto prematuro, as gestantes ativas engordam menos e são melhores significativamente na flexibilidade, facilitando o trabalho de parto. A musculatura também fica fortalecida, aliviando as dores nas pernas e nas costas. Entre as vantagens do exercício na gravidez estão ainda os sentidos aguçados, pois o sangue circula melhor pelo organismo, e o menor risco de hipertensão e diabetes gestacional.

Posso fazer pilates e hidroginástica na gravidez ? Não somente pode, como deve. Como são exercícios físicos de baixo impacto, eles são ótimos para as gestantes, trazendo grandes efeitos positivos para a mãe e para o bebê.

O pilates é uma das atividades físicas mais indicados para as gestantes, pois a maioria dos exercícios pode ser adaptada de acordo com a fase da gravidez. Além disso, auxilia no fortalecimento dos músculos centrais, tonificando o abdômen e as costas– reduzindo os desconfortos e contribuindo para um parto mais tranquilo.

E com a hidroginástica não é diferente. Ela é uma atividade física com imensas vantagens para as gestantes, pois é praticada na água, o que diminui o impacto dos movimentos sobre as articulações e alivia o peso extra da gravidez. A hidroginástica também fortalece os músculos, especialmente o abdômen e o períneo, diminuindo as dores do parto. Além disso, reduz o inchaço das pernas, joelhos e tornozelos, melhora a circulação de sangue pelo corpo, previne varizes, diminui a ansiedade e auxilia no controle de peso.

Há algum risco na prática de exercícios durante a gestação ? A prática de atividades físicas na gravidez requer cuidados especiais. É extremamente importante que a gestante consulte um médico e somente realize os exercícios com a orientação de um profissional capacitado.

Exercícios físicos de alto impacto, como futebol, boxe e longas corridas, não são indicados para as gestantes. Eles exigem um elevado esforço, podendo causar impactos negativos na mãe e no bebê, como desidratação e aumento da temperatura corporal.

Percebeu como a atividade física na gravidez é importante ? Ela garante uma gestação tranquila e um melhor desenvolvimento do feto, porém, a prática de exercícios deve ser orientada por um profissional, evitando riscos para a gestante e para o bebê.

Fonte : Nutri Mãe

Como aliviar o enjoo na gravidez

Como aliviar o enjoo na gravidez

Como aliviar o enjoo na gravidez

Enjoo e náuseas são sintomas comuns durante a gestação, especialmente no início da gravidez.

Os mecanismos que fazem com que as gestantes enjoem ainda não é totalmente esclarecido.

O que se sabe é que parece haver uma relação entre os hormônios e enjoos.

Durante a gestação, principalmente nos primeiros três meses, há uma grande produção do hCG (gonadotrofina coriônica humana).

Alguns estudos mostram que quanto maiores os níveis de hCG no sangue, maior a incidência de enjoos e náuseas durante a gravidez.

O período do dia com maior frequência de enjoo pode variar de mulher para mulher, mas é comum ter mais náuseas pela manhã, ao acordar.

Algumas medidas tendem a minimizar o desconforto na gravidez :

– Não ingira grandes volumes de líquido de uma vez. Beba pequenas quantidades, várias vezes ao dia.
– O mesmo vale para os alimentos. Faça mais porções com menos quantidade de alimentos em cada uma delas.
– Não fique muitas horas sem comer.
– Evite alimentos muito condimentados, gordurosos ou picantes.
– Evite deitar logo depois de comer.
– Evite a fadiga intensa. É possível manter-se ativa, mas o ideal é não exagerar nesse período.
– Suplementos de vitamina B6 podem ajudar a combater os enjoos, converse com seu médico ou nutricionista.

A melhor notícia é que o enjoo vai passar. Tenha paciência, siga as dicas acima e aproveite a sua gravidez, pois esse momento é único !

Saiba quais são as posições corretas que um bebê deve ter na hora de dormir

Saiba quais são as posições corretas que um bebê deve ter na hora de dormir

Saiba quais são as posições corretas que um bebê deve ter na hora de dormir

A Academia Americana de Pediatria (AAP) publicou recentemente um estudo que mostra que um número esmagador de crianças está dormindo em posições ou ambientes inseguros.

O estudo envolveu voluntários que permitiram que seus filhos fossem gravados enquanto dormiam com 1 mês de vida, 3 meses e 6 meses.

Os pesquisadores, então, analisaram as imagens obtidas e as compararam com as diretrizes recomendadas para um sono seguro.

“A maioria dos pais, mesmo quando ciente de que estava sendo gravada, colocou as crianças em ambientes ruins na hora de dormir, incluindo o posicionamento das crianças de lado ou de bruços; em superfícies macias; camas soltas”, afirma o pediatra e homeopata Moises Chencinski.

Inicialmente, 167 bebês foram incluídos no estudo, mas apenas 160 foram avaliados quando tinham um mês, 151 quando tinham três meses e 147 no sexto mês de vida.

Os pesquisadores descobriram que 91 % dos bebês com 1 mês de idade dormiam com itens soltos e não aprovados, como roupas de cama inapropriadas, excesso de almofadas e de bichos de pelúcia.

Esse número se alterava para 87 % aos 3 meses de vida e para 93 % aos 6 meses.

O estudo também mostrou que 21, 10 e 12 % dos bebês foram colocados para dormir em superfícies não recomendadas no primeiro mês, no terceiro e no sexto mês de vida, respectivamente, e 14, 18 e 33 % não foram colocados para dormir com a barriga para cima, outra “violação” das recomendações de segurança da Academia Americana de Pediatria.

Além disso, os bebês que foram movidos durante a noite, muitas vezes, acabaram em situações de sono mais perigosas, em posições mais inseguras do que antes.

A Academia Americana de Pediatria considera este estudo inovador devido à implementação das imagens de vídeos, que revelaram taxas mais elevadas de práticas inseguras de dormir do que os estudos anteriores, que se baseavam nos dados relatados pelos pais.

Embora a entidade americana venha fazendo esforços para aumentar a conscientização sobre a segurança do sono desde 1992, recomendando que os bebês durmam com a barriga para cima, é claro que há espaço para melhorias e aperfeiçoamento.

“É preciso reduzir as taxas de risco investigando as crenças parentais e compreendendo a aplicabilidade das diretrizes de sono seguras com o objetivo de desenvolver materiais e intervenções educativas mais eficazes”, defende o médico, que é membro do Departamento de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

Fonte : Guia do Bebê – UOL